terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Refletindo sobre 2015: os livros de que menos gostei


Oi migos, tudo bem?
Hoje eu estou aqui, na parte três da minha série deveras legal, para falar mais um pouco sobre as leituras de 2015. Se no último post falei um pouco sobre os que mais gostei e que entraram para o hall da fama da minha vida como leitor, hoje falarei sobre aqueles que entraram na lista negra. Não colocarei em ordem específica, porque não consigo achar o que desgostei mais, então virá em uma ordem puramente aleatória.
Vamos lá?

O Fantasma de Canterville



É louco como o autor, Oscar Wilde, pode estar tanto na minha lista de favoritos como na lista de desfavoritos (acho que esse termo não existe, mas vocês me entenderam). Assim como ele escreveu aquela oitava maravilha do mundo chamada O Retrato de Dorian Gray, ele também escreveu esse livro de contos, encabeçado por O Fantasma de Canterville (daí o nome da obra), um livro tão sem graça mas tão sem graça, que precisei me forçar a terminar. O primeiro conto é o mais divertido (ou menos chato, pense como quiser), que conta a história de uma família americana que se muda para uma mansão inglesa, que é assombrada por um terrível fantasma. Acontece que, descrentes, a família simplesmente caga e anda não liga para o fantasma lá, e ele passa o conto tentando se reinventar e sofrendo com uma crise existencial. O conto em si vale bastante a pena, mas o resto do livro é um saco. São contos que simplesmente não te marcam, e que, mesmo que eu tenha lido, sequer lembro hoje para citar mais exemplos. Contou como uma leitura clássica, mas não gostei nem um pouco.

O Oceano no Fim do Caminho



Muito louco foi o post em que eu xinguei o livro, porque fui tão xingado de volta, tão apedrejado pela humanidade e tive minha vida como leitor tão questionada e julgada por gente que nem me conhecia, que foi uma experiência muito massa. De verdade. Acontece que eu não consegui gostar do livro mesmo, nem um pouco. E as pessoas não conseguem aceitar que alguém não goste do oh deus todo poderoso Neil Gaiman, então, obviamente, a culpa era inteiramente minha. 
Mesmo me sentindo meio ultrajado por conta disso, resolvi guardar o livro comigo, resistindo aos milhares pedidos de troca que chovem para mim no Skoob, e algum dia, no futuro, depois de ler mais algumas outras obras de Gaiman, pretendo reler e aí ver se eu continuo desgostando, ou se acabo vendo o livro com outros olhos.

The 100



The 100 foi um livro extremamente broxante, com o perdão da palavra. Eu ainda não sei exatamente o porquê de eu ter lido, porque eu nunca tinha me interessado de verdade, até um dia em que baixei o ebook aleatoriamente e falei "ah, vamos lá, né?". Acontece que, pela primeira vez na vida, preferi mil vezes a adaptação que fizeram sobre ele (no caso, a série). E mais incrível ainda: o motivo de eu ter preferido a adaptação é justamente o fato de ela ser completamente infiel à obra original, aproveitando só alguns dos personagens e a temática. Isso porque a temática é realmente legal, e eu gostei bastante, mas o aproveitamento que a autora dá é terrível e fica uma história que sai do nada, chega ao nada (com um romancezinho chatinho no meio) e acaba. Assim, é isso. 
Eu tinha uma leve curiosidade para saber como era a história "original", já que sempre ouvi falarem que, em quesito adaptação, a série era bem ruim. Pelo menos eu sei como é, e posso recomendar como um livro que você não precisa perder seu tempo pra ler. 

A Outra Volta do Parafuso

Esse livro foi do luxo ao lixo em questão de páginas (eu não o joguei no lixo mesmo, é só a expressão). Isso porque ele começa muito bem, com uma história instigante sobre uma mansão assombrada por dois fantasmas aparentemente terríveis. Essa foi uma das trocas que realizei no ano, e que foi muito massa pelo fato de eu ter trocado um livro que detestei por um que, adivinha, detestei também (mas pelo menos esse é clássico da literatura de terror, né).
Como eu disse, o início é realmente promissor, e a descrição das aparições é bem intensa e chega a te dar calafrios, sensação do terror que eu não imaginava que um livro conseguiria despertar. Acontece que, mesmo que a trama seja interessante, o livro desanda, e o final foi tão decepcionante que eclipsou qualquer ponto positivo no meio.

Bom, esses foram os livros mais "nhe" que eu li no ano, e que entraram para aquela listinha de "migo, não leia se você puder evitar" (talvez não O Oceano no Fim do Caminho, mas os outros, sem dúvidas). E vocês, de que livros menos gostaram no ano passado?

Espero que tenham gostado, até a próxima ;D

4 comentários:

  1. Oii adorei o post e o blog, gosteii muito mesmo!!!
    Um abraço!

    http://umalbumpanoramico.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu ainda não li "O Oceano no Fim do Caminho", mas adoro Neil Gaiman, recomendo você dar uma chance para outras obras do autor.

    Abraço!
    www.quadro42.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu vou tentar, juro que vou tentar hahhahah

      Excluir
  3. Hey, recomendo que leia o livro Deuses Americanos de Neil Gaiman, é tudo de bom <3 ... Eu até gostei de Oceano, mas não é dos melhores não ... Tchê. tô lendo outra volta do parafuso, nem achei as aparições aterrorizantes, passei da metade e não consigo mais ... pq é chato D: ... mas vou terminar (y) bj

    www.monicadk.com

    ResponderExcluir